Interacionismo Simbólico

      De acordo com o interacionismo simbólico, os seres humanos agem em relação ao mundo segundo significados que este próprio mundo lhe oferece. Esses significados surgem a partir da interação social com os demais indivíduos e são manipulados por um processo interpretativo da pessoa que se relacione com eles. Resumidamente, essas são as três premissas nas quais o interacionismo simbólico se baseia.
Outros estudos tendem a analisar tipos de comportamento como algo resultante de fatores desencadeadores, tanto de ordem psicológica como sociológica. Estabelece-se uma relação direta entre fatores e comportamentos, onde o significado dos elementos em relação aos quais o homem age são desconsiderados ou reduzidos a vínculos neutros entre eles. Para o interacionismo simbólico, os significados são parte fundamental para a formação do comportamento, e logo, para sua análise.
Quanto à origem dos significados, também há divergências. Pode-se entender o significado como algo intrínseco e natural ao elemento, que emana dele e não passa por um processo de formação. Outra forma é entender o significado como uma expressão dos fatores psicológicos concedidos ao elemento pelo indivíduo para quem esse elemento possui significado. O interacionismo simbólico defende que o significado é formado através do processo de interação humana, ou seja, são produtos sociais. “Para um indivíduo, o significado de um elemento nasce da maneira como outras pessoas agem em relação a si no tocante ao elemento.” (BLUMER, p.121)
Por último, o interacionismo simbólico vê o uso do significado, não apenas como a reprodução ou aplicação de significados já existentes, mas acredita que esse uso é feito a partir de um processo de interpretação. Esse processo consiste em duas etapas: a primeira o indivíduo especifica para si mesmo quais os elementos que possuem significado para ele, estabelece-se um comunicação ou interação do indivíduo com ele mesmo. Na segunda, o indivíduo transforma significados de acordo com a situação em que se encontra e a direção de seus atos. Desse modo, a interpretação é um processo formativo, onde significados são utilizados para orientar e formar ações.
O interacionismo preocupa-se com o empenho dos seres humanos em agir enquanto indivíduos, interagindo entre si nas diversas situações, que acaba por constituir a sociedade humana. Essa interação é responsável pela formação do comportamento. Ao interagir entre si, os homens estabelecem uma relação de expectativa em relação à ação do outro pelo fato de conseguirem se colocar no lugar dele. Essa relação faz com que ambos adaptem suas linhas de ação um em relação ao outro, possibilitando uma partilha de valores.
George Herbert Mead identifica duas formas de interação social na sociedade: a “conversação dos gestos” (interação não-simbólica) e o “uso de símbolos significantes” (interação simbólica). A interação não simbólica diz respeito ao processo associativo, onde o homem reage irrefletidamente à ação do outro. Já a interação simbólica refere-se à apresentação de gestos, a interpretação e reação a eles. Nesse tipo de interação o gesto possui significado tanto para quem o realiza quanto pra quem reage a ele. Segundo Mead, o gesto possui uma natureza triádica: indica qual deve ser a reação da pessoa a quem está sendo destinado, a intenção de quem realizou o gesto e significa a ação como um todo, articulando os atos de ambos. “A coexistência grupal humana representa um complexo processo de definição recíproca sobre como proceder e de interpretação das mesmas; através desse sistema os seres humanos vêm a adaptar suas atividades uns aos outros e formar sua própria conduta pessoal.” (BLUMER, p.127)
Um mesmo objeto, seja físico, social ou abstrato, pode possuir diferentes significados para pessoas diferentes, devido a esses significados serem gerados para uma pessoa a partir de como as pessoas com quem ela interage definem o objeto. Assim, cada indivíduo possui um universo de seus objetos com os quais se relaciona e orienta suas ações. Tais objetos são criações sociais formadas a partir do processo de definição e interpretação estabelecido na interação social, e através desse processo com que são criados são passíveis de transformações, reiterações ou descarte.
A interação simbólica é possível a partir do momento que o indivíduo torna-se um objeto para si mesmo a partir das definições que as outras pessoas lhe dão para ele mesmo. Isso que o possibilita analisar-se a partir de um suposto ponto de vista dos outros e interagir consigo próprio. Assim, o homem não se caracteriza como mero organismo respondente, mas um organismo agente que norteia suas ações de acordo com um processo de auto-indicação dos objetos, onde lhes atribui significados e guia seus atos.
Para a coexistência, os indivíduos adaptam uns às linhas de ação dos outros, originando um ação conjunta, composta por diferentes atos, mas diferente e independe deles. A ação conjunta sempre passa por um processo de formação, mesmo que aconteça de forma repetitiva e constante, ela sempre passa por um processo de reelaboração. Dessa forma, não pode ser considerada uma ação pré-estabelecida, já que os significados que a sustentam estão sempre sujeitos à confirmação ou questionamentos, e a ação como um todo estará sempre sujeita a enfrentar situações problemáticas onde deverá se ajustar ou transformar.
Também as instituições, longe de imporem comportamentos de acordo com um sistema autônomo, são constituídas por diversas linhas de ação encadeadas gerando um resultado de acordo com a situação em que foram levados a agir. Por último, todo comportamento de ação conjunta surge a partir de uma base de experiências anteriores que norteiam a ação atual. No novo ato conjunto, como em qualquer linha de ação pretendida por um indivíduo, os participantes trazem consigo significados, objetos e interpretações anteriores.

BLUMER, H. A natureza do interacionismo simbólico. In: MORTENSEN, Charles (Org.) Teoria da Comunicação: textos básicos. SP: Mosaico, 1980

Nenhum comentário:

Postar um comentário